3 de março de 2015

Alstom inaugura sua primeira linha de produção de VLTs na América Latina

Compartilhe
A Alstom inaugurou uma nova linha de produção dedicada ao Citadis, seu modelo de Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs), em Taubaté, no interior de São Paulo. 

A cerimônia de inauguração contou com a presença de autoridades locais, representantes da companhia e Henri Poupart Lafarge, Presidente mundial da Alstom Transport. Essa nova linha de produção – na qual a Alstom investiu cerca de R$ 50 milhões – atenderá ao mercado brasileiro e, em um futuro próximo, à América Latina, onde os projetos de VLTs estão a todo vapor. Quando estiver em operação plena, a fábrica irá gerar cerca de 150 empregos diretos.

Os primeiros VLTs a serem produzidos em Taubaté são parte dos 32 trens modelo Citadis encomendados para a cidade do Rio de Janeiro, para o consórcio do VLT Carioca, em setembro de 2013[1]. Esse contrato é parte do projeto Porto Maravilha, liderado pelo município, para modernizar a zona portuária do Rio. A expectativa é que os modais sejam entregues entre 2015 e meados de 2016, a tempo para os Jogos Olímpicos.

“Mais do que um modelo de transporte, o Veículo Leve sobre Trilhos redesenha as cidades e oferece à população uma mobilidade sustentável, confortável e acessível. Esse sistema já foi adotado por um grande número de cidades em todo o mundo nas últimas décadas. Sem dúvida, essa tendência está começando agora no Brasil e, por isso, a Alstom investiu em uma nova linha de produção, para acompanhar novos projetos de VLTs, não só para o Brasil, mas também para toda a América Latina", afirma Michel Boccaccio, Vice-Presidente Sênior da Alstom Transport na América Latina.
A nova fábrica possui cerca de 16 mil metros quadrados e é capaz de produzir de 7 a 8 trens por mês. A unidade preza por boas práticas ambientais e utilizará, por exemplo, água proveniente de chuva para os testes feitos com água nos trens.

A Alstom já vendeu 1.900 Citadis para 49 cidades ao redor do mundo. 1500 já estão em circulação e já transportaram mais de 6 bilhões de passageiros.

[1] A Alstom fornecerá 32 VLTs Citadis sem catenária juntamente com fonte de alimentação, sistemas de sinalização e telecomunicações
Sobre a Alstom Transport

Promovendo a mobilidade sustentável, a Alstom Transporte desenvolve e comercializa a mais completa gama de sistemas, equipamentos e serviços do setor ferroviário. A Alstom Transporte administra sistemas inteiros de transporte, incluindo material rodante, sinalização e infraestrutura, além de oferecer soluções “turnkey”. A Alstom Transporte registrou vendas de 5,9 bilhões de euros no ano fiscal 2013/ 2014. Está presente em mais de 60 países e emprega 28.300 pessoas.

Enviado por Alstom, especialmente para o Diário da CPTM

2 de março de 2015

Trem da Linha 7-Rubi da CPTM circula com portas abertas

Compartilhe
Falha registrada por passageiros ocorreu na manhã desta segunda (2).
SPTV contabilizou 20 panes na linha em 2015; CPTM diz que foram 4.

Um trem da CPTM andou por duas estações com as portas abertas na manhã desta segunda-feira (2). A falha registrada pelos passageiros é mais uma da Linha 7-Rubi que, pela contagem do SPTV, já teve 20 problemas esse ano.

O assistente comercial Diego Marques estava no trem e filmou a cena. O problema ocorreu por volta das 7h30. “Quando chegou em Pirituba eles pediram para evacuar o trem e sair, mas o trem andou todo o percurso com porta aberta”, relata.

Com uma faixa amarela no local da porta e dois seguranças da Companhia na frente, o trem saiu da estação Jaraguá, passou pela Vila Clarice e parou em Pirituba.

A plataforma da estação Pirituba ficou lotada. A auxiliar administrativa Cibele Rodrigues também registrou a cena. Ela mora em Franco da Rocha, na Região Metropolitana de São Paulo, e pega a Linha Rubi todos os dias. Segundo a jovem, as penas são diárias. “Três quatro vezes na semana, praticamente é sempre, é constante.”

A CPTM tem cinco linhas que por dia fazem 2600 viagens. Na contagem feita pelo SPTV, a rede apresentou 55 falhas esse ano – 20 só na Linha 7-Rubi que vai de Jundiaí até a Luz.

A maioria das falhas é nos trens. Foram problemas nas portas, nos freios, no sistema de energia que alimenta as composições. Na conta não entram os problemas causados por alagamentos como o da semana passada, que gerou confusão na Estação Palmeiras-Barra
Funda.

O caso mais grave registrado pelo SPTV esse ano foi um incêndio em um vagão, na Estação Ribeirão Pires, da linha Turquesa, no ABC. Os passageiros saíram desesperados. Alguns passaram mal.
O porta voz da CPTM diz que os seguranças agiram de forma correta ao desocupar o trem só na estação Pirituba. E que a Linha 7-Rubi teve quatro falhas notáveis esse ano.

G1

ASSISTA O VÍDEO 

Linha 9-Esmeralda da CPTM para de funcionar

Compartilhe
Os trens da Linha 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) não estão circulando na noite desta segunda-feira (2). De acordo com a CPTM, uma falha no sistema de energia interrompeu o funcionamento das composições.

Às 18h40, a Companhia informou que os trens já circulavam com velocidade reduzida, e pouco depois pararam de funcionar. A Linha 9-Esmeralda tem como estações finais a Osasco e Grajaú.

No momento a linha 9-Esmeralda opera com velocidade reduzida e maior tempo de parada.


Terra
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.
Funcionamento das estações: (*) das 4h às 00h (segunda a sexta e domingos) e das 4h à 1h (sábados)

NOTA: A CPTM garante ao usuário a transferência entre linhas, desde que esteja em sua última estação de transferência até as 00h00


(*) Último trem do terminal de Jundiaí para Francisco Morato tem partida programada às 23h30.