17 de abril de 2015

Obras de modernização alteram a circulação dos trens da CPTM neste fim de semana prolongado

Compartilhe

Neste fim de semana prolongado, por conta do feriado de Tiradentes [21/04], a CPTM [Companhia Paulista de Trens Metropolitanos] prosseguirá com as obras de modernização em suas linhas. Por isso, os trens circularão com maiores intervalos em trechos e horários específicos. Confira a programação e antecipe sua viagem: 

Linha 7-Rubi [Luz - Francisco Morato - Jundiaí]

Sábado: a partir das 23h, serão realizados serviços no sistema de rede aérea entre as estações Água Branca e Lapa. O intervalo médio será de 24 minutos entre Luz e Francisco Morato. 

Domingo: das 4h até meia-noite, a circulação ficará interrompida entre as estações Pirituba e Caieiras. Para atender aos usuários, serão disponibilizados ônibus de conexão. As senhas para utilização dos coletivos deverão ser retiradas nas estações. 

Das 4h à meia-noite, haverá continuidade nas intervenções no sistema de rede aérea entre as estações Água Branca e Lapa. O intervalo médio será de 28 minutos entre Luz e Pirituba, e de 30 minutos entre Caieiras e Jundiaí. 

Segunda-feira: a partir das 23h, serão retomados os serviços no sistema de rede aérea entre as estações Água Branca e Lapa. O intervalo médio será de 24 minutos entre Luz e Francisco Morato.

Terça-feira: das 8h às 17h, ocorrerão intervenções nos equipamentos de via permanente entre as estações Francisco Morato e Jundiaí.

Das 4h às 17h, prosseguirão os serviços no sistema de rede aérea entre as estações Água Branca e Lapa. O intervalo médio será de 24 minutos entre Luz e Francisco Morato.

Linha 8-Diamante [Júlio Prestes - Itapevi - Amador Bueno]

Terça-feira: das 4h à meia-noite, haverá intervenções no sistema de rede aérea entre as estações Domingos de Moraes e Imperatriz Leopoldina. 

Das 9h às 19h, os trabalhos estarão concentrados nos equipamentos de via permanente entre Carapicuíba e Antônio João. 

O intervalo médio será de 22 minutos entre as estações Júlio Prestes e Itapevi. 

Linha 9-Esmeralda [Osasco - Grajaú]

Sábado: 
a partir das 23h, serão realizadas intervenções nos equipamentos de sinalização entre as estações Ceasa e Cidade Universitária. O intervalo médio será de 15 minutos em toda a linha.

Domingo: das 9h às 19h, devido aos serviços que serão realizados na Linha 8-Diamante, a circulação ficará interrompida entre as estações Osasco e Presidente Altino. Para prosseguir viagem, os usuários deverão utilizar os trens da Linha 8-Diamante.

Das 4h à meia-noite, os serviços estarão concentrados no sistema de rede aérea entre as estações Hebraica-Rebouças e Berrini. O intervalo médio será de 20 minutos em toda a linha.

Linha 10-Turquesa [Brás - Rio Grande da Serra]

Domingo:
 das 8h às 18h, ocorrerão intervenções nos equipamentos de via permanente entre as estações Santo André e Capuava. O intervalo médio será de 20 minutos em toda a linha.

Terça-feira: das 8h às 17h, os trabalhos estarão concentrados nos equipamentos de via permanente no trecho entre Guapituba e Rio Grande da Serra. O intervalo médio será de 30 minutos entre Mauá e Rio Grande da Serra. 

Linha 11-Coral/Expresso Leste [Luz - Guaianases]

Domingo: das 4h até meio-dia, a circulação ficará interrompida entre as estações Tatuapé e Corinthians-Itaquera. Para prosseguir viagem, os usuários deverão fazer conexão com a Linha 3-Vermelha, do Metrô. O intervalo médio de 24 minutos entre as estações Corinthians-Itaquera e Guaianases.

Terça-feira: das 4h às 17h, ocorrerão intervenções nos equipamentos de via permanente entre as estações Luz e Brás. O intervalo médio será de 20 minutos.

Linha 11-Coral/ Extensão [Guaianases - Estudantes]

Domingo: das 4h até meio-dia, haverá obras de infraestrutura da Estação Ferraz de Vasconcelos. O intervalo médio será de 35 minutos entre Guaianases e Estudantes. 

Terça-feira:
 das 4h às 17h, as obras de infraestrutura ocorrerão no trecho entre as estações Calmon Viana e Jundiapeba. O intervalo médio será de 22 minutos entre Guaianases e Estudantes. 

Linha 12-Safira [Brás - Calmon Viana]

Domingo: das 4h até meio-dia, serão realizadas intervenções no sistema de rede aérea entre as estações Engº Manoel Feio e Itaquaquecetuba. O intervalo médio será de 20 minutos em toda a linha.

Segunda-feira: a partir das 23h, os trabalhos estarão concentrados no sistema de rede aérea entre as estações Engº Manoel Feio e Calmon Viana. O intervalo médio será de 30 minutos em toda a linha. 

Terça-feira: 
das 4h às 17h, os serviços serão realizados no sistema de rede aérea entre as estações Jardim Romano e Itaquaquecetuba. O intervalo médio será de 15 minutos entre Brás e Jardim Romano, e de 30 minutos entre Engº Manoel Feio e Calmon Viana. 

Desafio: a CPTM ressalta que executar as obras de modernização, mantendo simultaneamente o atendimento aos usuários, é um grande desafio. As ações exigem medidas como promover intervenções em horários de menor movimentação de passageiros aos finais de semana, feriados e madrugadas.

Em caso de dúvidas ou informações complementares, a CPTM coloca à disposição o Serviço de Atendimento ao Usuário: 0800 055 0121.

Falha no Metrô de SP divide trem ao meio e afeta volta para casa

Compartilhe

Passageiros precisaram descer nos trilhos e caminhar até estação Brás, na Linha Vermelha; de acordo com sindicato, veículo que falhou recebeu o apelido de "trem problema"

Uma falha em um trem da Linha-3 Vermelha do Metrô prejudicou o fluxo em todas as estações da empresa e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), nesta quinta-feira (16), em São Paulo.

O Metrô afirma que, por volta das 17h30, o cabo responsável por unir um vagão ao outro de um trem que seguia em direção à estação Corinthians-Itaquera quebrou, impedindo o veículo de se mover.

A falha ocorreu próximo à estação Brás, quando os vagões estavam cheios. Passageiros precisaram descer do veículo e caminhar sobre os trilhos para evacuar o local, já que o trem ficou impossibilitado de seguir adiante. 

Apesar de ninguém ter ficado ferido, a falha gerou um efeito cascata em toda a malha ferroviária da cidade. Estações da linha Vermelha ficaram abarrotadas de pessoas tentando embarcar, já que o Metrô precisou fazer uma manobra entre as estações Brás e Pedro II para todos os trens circularem em via única compartilhada, afetando a velocidade das viagens.

Devido ao fato de o vagão afetado estar localizado bem na parte central trem, foram necessários dois veículos, um de cada lado, para rebocá-lo do local, o que só ocorreu por volta das 19h45, segundo o Metrô.

A situação só começou a se normalizar após esse horário, tornando a volta do paulistano para casa em pleno horário de pico longa e desgastante. As estações da CPTM também acabaram afetadas, já que houve grande fluxo de passageiros do Metrô em direção a elas.

"Trem problema"

O Metrô não confirma qual é a identificação trem que falhou nesta quinta-feira, mas, de acordo com fontes ouvidas pelo iG, foi o K24, conhecido entre os operadores da empresa como o "trem problema".

"O K24 é um trem famoso. Até brincamos com esse apelido de trem-problema, porque as falhas nele não são novidade para nós", afirma Altino dos Prazeres, presidente do Sindicato dos Metroviários de São Paulo. "Os trens são compostos por seis carros, divididos em três blocos. E foi justamente o pedaço de ferro que dividia o bloco do meio que quebrou, desassociando-o do outro vagão. É uma situação grave."

Vice-presidente da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes do Metrô (Cipa), Alex Santana afirma que, apesar de a ocorrência não ter registrado nenhum ferido, ela poderia ter resultados "catastróficos". "Não foi só um cabo que quebrou, como diz a empresa. O engate é composto por dois ferros acoplados a uma estrutura que tem de aguentar toneladas. O trem ficou, literalmente, em duas partes", afirma ele. "Caso isso acontecesse em uma curva, o carro poderia até ter descarrilado."

De acordo com Santana, não há registro de casos semelhantes na história do Metrô de São Paulo. No entanto, o histórico negativo da Frota K, que transita pela Linha 3-Vermelha, a mais movimentada da capital paulista, é bastante conhecido. Foi nela que, em agosto de 2013, um trem descarrilou. E os casos não pararam por aí.

Em setembro do ano passado, o sindicato denunciou a ocorrência de quatro incêndios em trens da frota em um curto espaço de 15 dias. Em novembro, a Cipa afirmou que um trem da mesma frota precisou ser rebocado e recolhido devido a trepidações violentas, responsáveis por prejudicar usuários e funcionários. À época, os casos foram negados pelo Metrô.

IG

Falha no Metrô de SP divide trem ao meio e afeta volta para casa

Compartilhe

Passageiros precisaram descer nos trilhos e caminhar até estação Brás, na Linha Vermelha; de acordo com sindicato, veículo que falhou recebeu o apelido de "trem problema"

Uma falha em um trem da Linha-3 Vermelha do Metrô prejudicou o fluxo em todas as estações da empresa e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), ontem (16), em São Paulo.

Usuários caminharam em direção à estação Brás após falha em trem.

O Metrô afirma que, por volta das 17h30, o cabo responsável por unir um vagão ao outro de um trem que seguia em direção à estação Corinthians-Itaquera quebrou, impedindo o veículo de se mover.

A falha ocorreu próximo à estação Brás, quando os vagões estavam cheios. Passageiros precisaram descer do veículo e caminhar sobre os trilhos para evacuar o local, já que o trem ficou impossibilitado de seguir adiante. 

Apesar de ninguém ter ficado ferido, a falha gerou um efeito cascata em toda a malha ferroviária da cidade. Estações da linha Vermelha ficaram abarrotadas de pessoas tentando embarcar, já que o Metrô precisou fazer uma manobra entre as estações Brás e Pedro II para todos os trens circularem em via única compartilhada, afetando a velocidade das viagens.

Devido ao fato de o vagão afetado estar localizado bem na parte central trem, foram necessários dois veículos, um de cada lado, para rebocá-lo do local, o que só ocorreu por volta das 19h45, segundo o Metrô.

A situação só começou a se normalizar após esse horário, tornando a volta do paulistano para casa em pleno horário de pico longa e desgastante. As estações da CPTM também acabaram afetadas, já que houve grande fluxo de passageiros do Metrô em direção a elas.

“Trem problema”
O Metrô não confirma qual é a identificação trem que falhou nesta quinta-feira, mas, de acordo com fontes ouvidas pelo iG, foi o K24, conhecido entre os operadores da empresa como o “trem problema”.

“O K24 é um trem famoso. Até brincamos com esse apelido de trem-problema, porque as falhas nele não são novidade para nós”, afirma Altino dos Prazeres, presidente do Sindicato dos Metroviários de São Paulo. “Os trens são compostos por seis carros, divididos em três blocos. E foi justamente o pedaço de ferro que dividia o bloco do meio que quebrou, desassociando-o do outro vagão. É uma situação grave.”

Vice-presidente da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes do Metrô (Cipa), Alex Santana afirma que, apesar de a ocorrência não ter registrado nenhum ferido, ela poderia ter resultados "catastróficos". “Não foi só um cabo que quebrou, como diz a empresa. O engate é composto por dois ferros acoplados a uma estrutura que tem de aguentar toneladas. O trem ficou, literalmente, em duas partes”, afirma ele. “Caso isso acontecesse em uma curva, o carro poderia até ter descarrilado.”

De acordo com Santana, não há registro de casos semelhantes na história do Metrô de São Paulo. No entanto, o histórico negativo da Frota K, que transita pela Linha 3-Vermelha, a mais movimentada da capital paulista, é bastante conhecido. Foi nela que, em agosto de 2013, um trem descarrilou. E os casos não pararam por aí.

Em setembro do ano passado, o sindicato denunciou a ocorrência de quatro incêndios em trens da frota em um curto espaço de 15 dias. Em novembro, a Cipa afirmou que um trem da mesma frota precisou ser rebocado e recolhido devido a trepidações violentas, responsáveis por prejudicar usuários e funcionários. À época, os casos foram negados pelo Metrô.

Ig

As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do blog Diário da CPTM.
Funcionamento das estações: (*) das 4h às 00h (segunda a sexta e domingos) e das 4h à 1h (sábados)

NOTA: A CPTM garante ao usuário a transferência entre linhas, desde que esteja em sua última estação de transferência até as 00h00


(*) Último trem do terminal de Jundiaí para Francisco Morato tem partida programada às 23h30.